Assessores demais, trabalho de menos em Silva Jardim

Se todos aparecerem para trabalhar vai faltar espaço para as sessões da Câmara

Instalada numa pequena parte sede do governo municipal e com um anexo menor ainda, a Câmara de Vereadores de Silva Jardim – minúscula cidade do interior do estado do Rio de Janeiro – tem nove membros e dezenas de assessores. Pelo menos 42 nomeações foram assinadas recentemente pelo presidente da Casa, o vereador Roni Luiz Pereira, o Roni da Alexandre, o mesmo que mandou às favas um concurso público aberto no ano passado, depois de a instituição contratada para aplicar as provas ter arrecadado cerca de R$ 700 mil com a cobrança de taxas de inscrição. O certame seria para preencher 18 vagas de provimento efetivo, 24 a menos que o número de nomeados em cargos de confiança, que, em alguns casos, vão receber gratificações que podem chegar a 90% do salário fixado para a função. Com o espaço físico exíguo resta saber onde os 42 nomeados vão trabalhar, pergunta que o presidente e os demais membros da Casa se negam responder.

Com um longo histórico de nepotismo, com a nomeação de parentes de vereadores para ocupar cargos de confiança, a Câmara de Silva Jardim ficou conhecida nos últimos quatro anos pela omissão. Por ser empregado do prefeito Anderson Alexandre em uma rede de farmácia (Drogarias Alexandre), o presidente da Casa passou a legislatura anterior sem formalizar uma ação fiscalizadora contra o Poder Executivo, mesmo diante de vários escândalos, inquéritos e operações de busca e apreensão feitas pelo Ministério Público. Reeleito em outubro do ano passado, o prefeito réu em várias ações de improbidade administrativa, algumas pautadas em denúncias de fraude em processos licitatórios, mas em nenhum momento a Câmara de Vereadores tomou qualquer iniciativa.

No caso do concurso, o cancelamento foi feita de forma unilateral pelo presidente da Câmara, que alegou que o próprio Poder Legislativo iria conduzir o certame. Ocorre que até agora ninguém recebeu de volta o que pagou como taxa de inscrição e o vereador Roni Luiz Pereira não toca mais no assunto.

Leia Também

Compras da Saúde são “segredos de estado” em Silva Jardim

Não há dados completos sobre licitações e contratos com os fornecedores. Entre janeiro e fevereiro dois …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *