Aterro com lixo é denunciado em Casimiro de Abreu

Área de antigo lixão era para ter sido limpa com a remoção completa dos resíduos

A montanha de lixo teria de ser removida, mas moradores revelam que o aconteceu foi o aterramento da área

Condenado em maio de 2014 por prática de crime ambiental, o prefeito de Casimiro de Abreu, Paulo Dames Passos (PSB), teve o nome mencionado em mais uma polêmica envolvendo agressão ao meio ambiente e um novo processo pode estar a caminho. Dessa vez é em relação a área aonde a Prefeitura vinha depositando o lixo recolhido nas ruas da cidade. O terreno anexo a uma usina de compostagem existente na localidade de Ribeirão era para ter sido limpo há muito tempo, com a remoção dos resíduos que lá estavam para uma central de tratamento. Entretanto, de acordo com moradores da região, há poucos dias o lixo foi espalhado e coberto, o que pode ter ampliado a contaminação.

A limpeza da área estava inserida em um Termo de Ajuste de Conduta firmado em março de 2011 entre a administração municipal e o Ministério Público Federal. Na época o procurador da República Flávio de Carvalho Reis deu prazo de seis meses ao então prefeito Antonio Marcos Lemos para que fosse apresentado um estudo técnico sobre o volume de resíduos lá depositados, as condições dos equipamentos da usina e o nível de contaminação. A partir disso a área não poderia ser mais usada e o lixo teria de ser retirado. Esta semana, entretanto, moradores revelaram que o lixão fora revolvido por máquinas a serviço da Prefeitura, que teriam espalhado o lixo e enterrado.

Na mesma época da assinatura do TAC os procuradores Ministério Público do Trabalho Fábio Luiz Mobarak Iglessia e Renato Silva Baptista fizeram uma inspeção no lixão e constataram, entre outras irregularidades, a falta de equipamentos de proteção individual e acondicionamento inadequado do lixo hospitalar. Sobre a condenação de Dames pela Justiça Federal em 2014 ela se deu numa ação na qual ele foi denunciado pelo MPF por ter autorizado a extração irregular de recursos minerais em área de proteção de proteção ambiental em 2002. Dames foi considerado responsável pela exploração irregular de areia e saibro, o que causou vários danos à Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João. Nesse processo a sentença inicial foi de um ano e três meses de prisão, mas foi substituída por penas alternativas.

Leia Também

Prefeita de Araruama nomeia afastado por suspeita de fraude

Para cargo de direção na Secretaria de Saúde Afastado pela Justiça dos quadros da Prefeitura …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *