Natureza tem proteção ampliada no interior fluminense

Decreto presidencial triplica a área da Reserva Biológica União

Formada por uma vasta área de terra que pertenceu ao pai do presidente Washington Luis, Joaquim Luiz Pereira de Souza, a Reserva Biológica União – que envolve parte de Casimiro de Abreu, Rio das Ostras e Macaé – tornou-se ainda maior, passando dos atuais 2.548 hectares para 7.767 hectares. Decreto nesse sentido foi assinado pelo presidente Michel Temer, garantindo ainda mais proteção para a Mata Atlântica, que é predominante na região. Além disso, os três municípios inseridos na área podem pleitear aumento no repasse do ICMS Ecológico junto ao governo estadual, ampliando a arrecadação.

A triplicação da reserva foi recebida com entusiasmo pelos ambientalistas da região. Para o secretário do Meio Ambiente de Rio das Ostras, Ivan Noé, a medida é positivo, pois preserva ainda mais a natureza. “Atualmente, as prefeituras estão mais preocupadas com a preservação de suas florestas e medidas ambientais estão sendo tomadas pelos prefeitos e secretários de Ambiente em busca de mais recursos vindos de fontes como o ICMS Verde”, disse o secretários.

Se as leis de preservação fossem mais severas no passado, a área a ser protegida seria ainda mais rica em termos de fauna e flora. É que em 1939 a família de Washington Luis vendeu a então Fazenda União para a ferrovia inglesa Leopoldina Railway Company Limited, que a comprou para garantir o abastecimento de lenha para a suas locomotivas movidas a vapor. Só depois de muito devastar é que a empresa começou a reflorestar, fazendo o plantio de eucaliptos, que, anos mais tardes, com a introdução das locomotivas com motor alimentado por óleo diesel, passaram a ser usados na fabricação de dormentes pela Rede Ferroviária Federal, estatal criada em 1957 para assumir os ramais antes explorados pela companhia inglesa.

Além de conservar florestas da Mata Atlântica, a reserva conta com uma grande população mico-leão-dourado e outros primatas, bem como espécies da fauna ameaçadas de extinção, entre elas a preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus), a jaguatirica (Leopardus pardalis) e a lontra (Lutra sp). Também há uma grande variedade de peixes, répteis, anfíbios, insetos e 225 espécies de aves, sendo cinco ameaçadas de extinção.

Leia Também

Eleição do presidente da Câmara de Silva Jardim pode ser anulada

Vereadores estipulam prazo para situação de Roni Luiz ser resolvida. Se não… O tempo está nublado e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *