O fumo contribui para agravar a incidência de doenças respiratórias

A prevenção é o melhor remédio; manter-se longe do cigarro faz toda a diferença quando o assunto é a saúde dos pulmões

Estamos em pleno Outono; em algumas regiões, o calor ainda está forte e o tempo seco, nada de chuva. Com isso, a qualidade do ar piora bastante devido à concentração de poluentes e poeira. Tendo em vista que em breve teremos o Inverno e daí o tempo é seco mesmo, tal situação é muito ruim para todos, mas pior ainda para quem sofre de doenças respiratórias.

Outra situação que merece ser mencionada é o tabagismo. Fumar faz um mal enorme para quem fuma e também para quem é vítima passiva da fumaça. Não fumar e evitar a exposição passiva ao cigarro são medidas que previnem e evitam o agravamento dos males respiratórios.

Segundo os especialistas, mais de 95% dos casos de enfisema e bronquite ocorrem por conta do tabagismo, seja ativo ou passivo. Já os principais fatores externos associados ao desenvolvimento da asma são os alérgenos inaláveis, ou seja, substâncias do corpo e fezes de ácaros domésticos; antígenos fúngicos, de insetos como baratas e de animais domésticos; polens e os vírus respiratórios, particularmente as infecções pelo vírus sincicial respiratório, que ocasiona doença viral contagiosa que afeta os pulmões, nos primeiros anos de vida.
Os poluentes ambientais – fumaça de cigarro, gazes e partículas em suspensão no ar, como as provenientes da combustão do óleo diesel – podem tornar as pessoas mais sensíveis aos alérgenos e agravar a situação dos brônquios em indivíduos predispostos a essa doença.
Os não fumantes expostos à fumaça do cigarro viram fumantes passivos, que inalam os mesmos elementos tóxicos que os tabagistas.
A fumaça inalada pelo fumante tem 4.700 substâncias, 43 delas cancerígenas. Já a que sai da ponta do cigarro (e que afeta o não fumante) tem 21 vezes mais nicotina, 15 vezes mais monóxido de carbono e 50 vezes mais substâncias cancerígenas.
Também nesta situação, a prevenção é o melhor caminho. Algumas medidas são eficazes, tais como tomar a vacina antigripal antes dos meses mais frios, para evitar agravamento e possíveis internações, pois as infecções por vírus respiratórias são as mais impactantes; evitar ambientes fechados e sem ventilação, aglomerados, poeiras, cortinas, tapetes, animais de estimação dentro de casa, contato com fumaça de cigarro; manter a frequente higienização das mãos com água e sabão e, se possível, o uso do álcool gel; fazer lavagens nasais frequentes, com soro fisiológico.

E não se pode deixar de citar a gripe H1N1 cujos índices têm assustado a todos. Daí as medidas preventivas tornam ainda mais importantes.

Leia Também

Eleitor que não votou no primeiro turno deve ir às urnas no domingo

Justiça Eleitoral considera turnos como eleições independentes Para a Justiça Eleitoral, cada turno de votação é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *